Tectermica no blogger Tectermica no facebook Tectermica no youtube e-mail para Tectermica
logomarca
  • Câmaras frias;
  • Walkin coolers;
  • Câmaras frigorificas;
  • Climatização para adegas.

(11) 2635-1656 ou (11) 2636-5851

Câmara fria para carnes

Compete a este excelente artigo técnico desvendar as minudencias inerentes a definição da Câmara Fria para Carnes, bem como esclarecer as maneiras de utilização. Em resumo podemos afirmar que a sua função basilar é conservar adequadamente a carne fresca ou congelada, manter inalteradas suas propriedades nutrícias e zelar pelo seu aspecto.

 

Dispor de uma boa Câmara fria para carnes é primordial nos seguimentos vinculados, direta ou indiretamente, as carnes em geral, vale salientar que a ligação dela com o processo de frio se inicia imediatamente apos o abate do animal e, percorre toda a cadeia produtiva, ate chegar a mesa do consumidor.

 

Inúmeros são os seguimentos empresariais utilizadores da Câmara fria para carnes, entre eles podemos destacar os seguintes:

 

- açougues;

- supermercados;

- abatedouros;

- lojas de conveniências;

- frigoríficos;

- atacadistas e distribuidores;

- indústria de embutidos de carne, entre incontáveis exemplos.

 

A Câmara fria para carnes armazena com maestria o alimento preferido a mesa dos brasileiros

 

As carnes em geral sempre estão presentes em nossas refeições, alias depois do arroz e feijão, a carne é o viveres mais citado pelos brasileiros, trata-se de um alimento de alto valor nutricional, ela é uma fonte insubstituível de proteínas, vitamina B12 e ferro e, para que mantenham inalteradas as suas características cabe conservá-las numa boa Câmara fria para carnes.

 

Não importa a condição climática, seja numa ocasião festiva ou outro dia qualquer, o churrasco ocupa distinção no nosso cardápio, ele é considerado como um evento social, um excelente momento para reunir a família e/ou os amigos e saborear os preciosos cortes de carne.

 

Ao elaborar um churrasco pequenos cuidados devem ser observados para que o evento obtenha exito, relacionamos somente aqueles principais, como segue:

 

  1. variedade: as carnes mais consumidas são a picanha, a maminha, as asinhas de frango, a linguiça toscana e o lombo de porco;
  2. quantidade: considere umas 400 gramas de carnes variadas por convidado;
  3. carvão: acenda-o com antecedência, quando ele estiver na cor branca ou cinza claro é o momento de começar a assar;
  4. tempero: os puristas utilizam somente o sal grosso, já os descolados o incrementam com azeite e ervas finas;
  5. acompanhamentos: a farofa e as saladas são os preferidos, também serão bem vindos os pães e as batatas assadas;
  6. molhos: o mais solicitado é o conhecido vinagrete, entretanto uma boa alternativa é o chimichurri.
A Camara fria para carnes é ideal para maturação dry age

A Câmara fria para carnes é profícua para a maturação

 

Este tutorial técnico sobre a Câmara fria para carnes elucida a forma de usá-la no processo de maturação da carne bovina em geral, seja mediante o processo a seco ou úmido.

 

A carne bovina, quando maturada, integra o nicho dos alimentos gourmetizados, muito comum nos Estados Unidos e na Europa, entretanto, por ainda ser um processo caro, encontra-se em estágio experimental no cardápio elaborado por alguns dos chefs mais afamados do Brasil.

 

A maturação da carne bovina confere a ela alguns diferenciais exclusivos frente os corte convencionais, os melhores resultados são obtidos com peças de alcatra e/ou picanha, entre os diferenciativos podemos citar os seguintes:

 

  • intensifica o sabor;
  • aumenta a maciez;
  • incrementa a suculência.

 

         "A técnica, além de deixar a carne com textura mais macia, pode agregar novas notas ao paladar, como nuances amendoadas, de lácteos e de charcutaria. Fonte: Carlão Carvalho, BBQ Brasil"

 

Entenda como acontece a maturação na Câmara fria para carnes, inclusive as  modalidades para efetivar tal processo, a saber:

 

  1. - Maturação úmida: também conhecida como wet aged, neste modal a carne é embalada a vácuo e permanece na Câmara fria para carnes por um período médio de 21 dias, mantida a temperatura de 0C, este procedimento é conhecido no Brasil há quase uma década;
  2. - Maturação a seco: denominada como dry aged, consiste em armazenar a carne sem qualquer embalagem, com controle rigoroso de temperatura, ventilação e umidade relativa, sendo que estes variam conforme o objetivo e estagio do procedimento, trata-se de um processo pouco difundido no pais.

 

Uma boa Câmara fria para carnes conta com acessórios refinados

 

Uma Câmara fria para carnes competente envolve não somente ela, mas também os acessórios empregados para elevá-la a um patamar superior, em seguida elencamos aqueles considerados indispensáveis, bem como a missão de cada um deles, a saber:

 

  1. Alarme de funcionamento: sinal de alerta, via telefone fixo, indicando pane de funcionamento na Câmara fria para carnes;
  2. Alarme contra aprisionamento: indicação audiovisual de aprisionamento de pessoas no interior da Câmara fria para carnes;
  3. Estante aramada: proporciona maior aproveitamento do espaço, bem como a organização dos produtos estocados na Câmara fria para carnes;
  4. Estrado antiderrapante: contra piso plástico, antiderrapante e lavável, altamente apropriado para uso na Câmara fria para carnes.

 

Mediante o emprego dos acessórios pertinentes, este produto sera muito bem aproveitado no ramo da alimentação coletiva, pois ele é apropriado para a conservação de viveres perecíveis em geral.

Tectermica

Câmaras frias - Câmaras frigorificas - Walkin coolers - Climatização para adegas

Rua Cabo Oscar Rossini, 985, Parque Novo Mundo, São Paulo/SP, CEP 02186-030, Coordenadas GPS: -23.515732,-46.570369

(11) 2635-1656 ou (11) 2636-5851